Notícias  
Obra adaptada para o teatro em São Paulo
 

O texto de Gonçalo M. Tavares que agora sobe aos palcos brasileiros traz uma reflexão sobre a vida e a perda, onde a maioria pode perder alguma coisa: a visão, a direção, o pai, a sanidade, a possibilidade de dizer “sim”, o emprego, o território. Em “Matteo perdeu o emprego” são apresentados 26 personagens.

Cada um com suas neuroses e manias. A direção geral e musical é de André Abujamra, adaptação feita pela própria companhia, com base em discussões e exercícios de improvisação, e redação final de Armando Liguori Junir. A peça, que estreou no Teatro Cacilda Becker no final de agosto, fica em cartaz até 30 de setembro.

São histórias curtas. Situações absurdas e, no entanto, muito próximas da realidade. Gonçalo M. Tavares nasceu em Luanda, em 1970, e pouco depois se mudou para Portugal. Estreou-se em 2001 com Livro da Dança, e é hoje considerado um dos maiores nomes do romance português contemporâneo pelo público e crítica. No Brasil já foram publicados diversos livros de sua autoria, como “O homem ou é tonto ou é mulher”, “O senhor Valéry”, “Uma menina está perdida no seu século à procura do pai”, entre outros.

A Companhia Os Tios existe há mais de 10 anos e conta com integrantes de antigas companhias: Grupo Ponkã, Cia Burlantis, Guardiões dos Sonhos, Sesc-Cpt. Seu início ficou marcado por um trabalho focado na linguagem teatral e no universo oriental com o espetáculo “Histórias de Lá do Lado de Cá”, que fundia lendas brasileiras e japonesas, uma adaptação para o palco do filme “Rashomon”, de Kurosawa, também lendas indianas em o “Ramayana”, e ainda espetáculos de improviso como “A quarta é nossa” entre outros.

Também adaptou autores brasileiros, como Rubem Alves com “O país dos dedos gordos” (teatro de bonecos) e Ariano Suassuna com “O Casamento Suspeitoso”.

Matteo perdeu o emprego
Teatro Cacilda Becker
Rua Tito, 295 – Vila Romana
Telefone 3864-4513
Até 30/09 Sextas e Sábados 21h00 e Domingos 19h00 80 minutos
Ingressos 30,00 e 15,00 (meia)
Classificação Indicativa: 14 anos

Fonte: Portugal Digital

 
« Voltar