Opinião  
 

Sou Antonio Manoel da Costa Melo Junior, farei 46 anos no próximo dia 30 de Dezembro. Paulistano, vivi 43 anos no bairro de Freguesia do Ó. Famoso pela gastronomia do Frangó e suas feijoadas aos sábados e das Feiras das Nações.

No passado a “Matriz” como era conhecida nos anos 80 e 90 era ponto de encontro de jovens onde todos, sem exceçāo, tentavam arrumar uma paquera e quando já eram de maior de idade tendo sua CNH ficavam desfilando com seus carros. Os carros mais cobiçados eram Chevrolet como Opala/Caravan Comodoro ou Diplomata, Maverick V8 e os famosos VW Fuscas, os fusquinhas preparados com motores 2.400 cc, duplos carburadores “Webber 48”, comandos de válvulas eram “nervosas”. Como vocês podem notar eu adoro carros antigos e motores carburados daquela época. Tempos bons!

Sou neto de Portugueses, Meu avó se chamava Manuel da Costa Melo, minha avô se chamava Maria do Céu Pacheco Pimentel da Costa Melo, ambos da Ilha dos Açores, da freguesia de Nordestinho. Conheceram-se e casaram-se muito jovens em Portugal e por causa da Segunda Guerra Mundial decidiram não correr o risco e vieram para o Brasil tentar a vida.
Ao chegar aqui, decidiram viver no bairro da Freguesia do Ó, próximo ao “Seminário”, um Convento Católico onde está localizada a torre de transmissão da Rádio Nove de Julho.

Nesse local da Torre de Transmissão tinha um campo de futebol, conhecido como o Campo do Seminário onde joguei muitas vezes ali como quarto zagueiro. A casa do meu pai era a última casa da rua que dava fundo para o campo e ele sempre ficava irritadíssimo porque a bola vivia caindo no quintal e quebrava alguma coisa.

Falando de meu pai, se chamava Antonio Manoel da Costa Melo, nasceu e faleceu em Sao Paulo. Morreu jovem aos 65 anos em Agosto de 2018, e sua vida era o trabalho. Mal sabia o que era se divertir porque desde moço decidiu ajudar meus avôs nas feiras livres de São Paulo. Chegou a ser um dos pioneiros a fazer a antiga feira da noite embaixo do minhocão Costa e Silva no bairro da Santa Cecília.

O mais longe que foi para descansar foi para Novo Horizonte-SP a 450KM de Sāo Paulo um final de semana onde o 7 de Setembro caiu numa terça-feira e meus pais saíram de São Paulo no domingo à noite, chegando em Novo Horizonte às 5 da manha do dia seguinte. Ficaram a segunda e terça-feira aproveitando a casa de minha bisavó materna comendo doce-de-leite que ela mesma fazia do leite tirado das vacas do quintal. Mas nunca fez uma viagem de aviāo ou conheceu a terra natal de seus pais, os Açores em Portugal.

Um fato interessante que sempre me chamou a atenção era com os nomes do meu bisavô, avô, pai e meu. Porque dessa relação? Vejam abaixo:
Bisavô - Antonio da Costa Melo
Avo - Paterno Manuel da Costa Melo
Pai - Antonio Manoel da Costa Melo
Meu - Nome Antonio Manoel da Costa Melo Júnior


Portugal
Ah Portugal, o que dizer dessa terra maravilhosa e como não se apaixonar por ela?

Os lugares são lindos, limpos e as pessoas super educadas, acolhedoras e super honestas. E as estradas? Um tapete. Todos os carros com GPS no acoplado com as direções e indicações de velocidade perfeitas.

Às vezes me pego pensando, se não fosse a guerra será que meus avós teriam vindo para o Brasil? Não sei dizer. Apenas sei que foi bem difícil deixar Portugal e voltar para o Brasil. Às vezes me pego longe, pensando que ainda voltarei, mas dessa vez para morar.

Nossa viagem durou cerca de 12 dias. Foram 11 cidades visitadas, 1.000 Km, cerca de 150 mil passos, e um casamento. É isso mesmo! Um casamento de três dias! Chiquerrimo.

Minha cunhada mais nova, Fuji & Tobias se casaram em Areias do Seixo. Um lugar paradisíaco e espetacular, com uma beleza impar. Tobias um garoto muito educado e culto, nasceu na Alemanha. Ambos vivem em Londres e trabalham no Google. O que nos chamou mais atenção foi que vieram pessoas de 16 países para seu casamento.

Pude concretizar um sonho de visitar a cidade natal de meus avós e olhar com meus próprios olhos lugares que eles sempre comentavam, tipo traz dos montes, e eu ficava com aquilo na cabeça, o que quer dizer isso? Fátima que minha avó comentava e o caminho feito pelos garotos e puderam ver a virgem.

Foi de um esplendor, castelos somente vistos em filmes, os encantamentos de Sintra, a mística maçônica, uma riqueza tanto cultural quanto emocional, honra e gratidão de ter vivido o que eles viveram. Jamais esquecerei!!!!

Saber que dos 6.912 idiomas falados atualmente no mundo, segundo o compêndio Ethnologue, pelo menos oito vieram do latim: italiano, francês, espanhol, catalão, galego, português, provençal e romeno. Uma pena ver nossa língua portuguesa chegar ao nível que chegou, as pessoas não sabem sequer escrever uma redação, falam e conjugam verbos errados. Pronomes nem sabem o que isso quer dizer. E muito triste!

O que esperar do futuro dessa parceria Brasil e Portugal?
Depois de pisar em terras lusitanas, meu senso patriótico e sangue português, me sinto na obrigação em ajudar a construir um futuro melhor para os luso-decendentes. Primeiramente me envolver, contribuir com o que tenho que melhor, minha vontade de vencer e levar as pessoas comigo para um nível mais elevado seja intelectual ou profissional.

Quando era jovem ouvi muita chacota sobre os portugueses e pude ver que nada era verdade. Um povo educado, trabalhador e honesto, coisa que no Brasil, não generalizando, ainda existem pessoas honestas, infelizmente uma minoria.
Tenho ganas de chegar a um nível que saberei que minha contribuição vá alcançar aos níveis acadêmicos e profissionais, com intercâmbio das universidades locais e portuguesas possam chegar a toda sociedade Brasileira.

À diretoria da CCLB e à jornalista Maristela meu muito obrigado pela oportunidade de compartilhar um pouco de minha história e das pessoas que amo. Mesmo com todos esses momentos, foi difícil e às vezes, não vou negar ainda é mas nāo lamento. Sou grato por todos os ensinamentos e toda compreensão que Deus colocou em minha vida.

Sei que ainda há muito que caminhar na estrada da vida ate cumprir minha missão, mas ate lá continuar sendo uma pessoa íntegra e seguir atrás meus sonhos pois a vida segue e muitos outros lugares para conhecer.

 

Antonio Manoel da Costa Melo Junior, administrador de empresas com MBA Executivo Internacional em Finanças.

 
PERFIL
 

Devido a extensão do meu nome e facilitar a criação de uma conta de e-mail o diretor da minha primeira empresa, chamada Bloomberg, onde sua sede era localizada no WTC-World Trade Center em Sāo Paulo decidimos reduzir o nome para apenas Antonio Melo, ou simplesmente Melo para os mais íntimos.

Trabalhei ali durante 13 anos, de office-boy a analista sênior de dados. Office-boy função que hoje se tornou Assistente Administrativo mas sem o glamour da época. Engraçado olhar para trás e ver como eram feitas as coisas.

Eu saía do escritório com um envelope cheio de cheques, dinheiro em espécie, vários boletos bancários para serem pagos naquele dia. Era tudo feito de ônibus e em filas intermináveis. Às vezes fazíamos amizade com os seguranças estrategicamente para voltar caso o banco estivesse fechado e não correríamos o risco de voltar com as contas não pagas.

Hoje tudo é feito pelo Internet Banking ou já deixamos tudo agendado. Incrível como a tecnologia mudou bastante coisa em tudo. Graças a Deus para melhor.

Depois da Bloomberg, vieram a Thomson Financial, que depois da fusão com a Reuters virou Thomson Reuters. Ali fiquei por mais 13 anos (número cabalístico) mas dessa vez num cargo de gerente para America Latina, se chamava Head of Content Operations Manager to Latin America. No final de 2018 a Thomson Reuters tem a parte de Financial & Risk vendida para um fundo de Private Equity Blackstone e após uma re-estruturação nos cargos de gestão acabei sendo desligado.

Mas após três meses desempregado, estava fazendo um sabático, revisitei toda minha carreira com uma Coaching no qual desenvolvemos um plano de cinco anos visando chegar ao topo da pirâmide organizacional, em posições de C-LEVEL. Todas as posições têm como premissa um background em Tecnologia, mais aprofundada a elementos de Machine Learning (ML) & Inteligência Artificial (AI) e comecei a estudar Francês.
Na semana anterior ao Carnaval de 2019 fui chamado pela Accenture do Brasil para trabalhar com gestão de projetos, sendo Project Manager. Fiquei muito feliz e adorando a empresa, sua filosofia, o projeto e as pessoas com quem tenho a oportunidade de trabalhar.

Melo é formado em Administração de Empresas pela Universidade Paulista (UNIP) em 2006 e hoje depois de muitos anos longe tomou coragem e voltou a estudar. Faz na Saint Paul MBA Executivo Internacional em Finanças onde sua conclusão acontece neste mês de dezembro/2019.

 
« Voltar